Super Hiper Mega Banner

#074-Água negra

Não me surpreendi quando soube que "Honogurai Mizu No Soko Kara" (Dark Water) seria regravado, já que a maioria dos filmes japoneses estão seguindo esse estilo. Como Kairo (clique para ler), por exemplo. A surpresa foi que a direção ficou por conta de um brasileiro: Walter Salles (de Central do Brasil)

"Água negra" não é um filme sobre a poluição da água por indústrias. A história não se preocupa com a presevação do meio ambiente e sim em contar o drama de uma mãe que luta para manter a guarda da pequena filha. Depois de uma complicada separação, COnnelly (Labirinto, a magia do tempo) tenta permanecer com a filha. Mas o marido parece querer fazer de tudo para impedir isso. Ela aluga um apartamento para morar com a filha, enquanto a justiça não tem uma decisão sobre o caso. O problema é que o prédio é velho, sujo e parece que foi feito pela construtora Cersan (ou seja, parece que pode desabar a qualquer instante!) E para piorar a situação, uma estranha goteira surge no teto. E sim, isso é um problema!

O desenvolvimento do filme é bom. Eu achei que esse remake foi desnecessário porque Salles preservou bem o clima do original. Se o problema era o desenvolver lento da trama japonesa, nessa regravação acontece a mesma coisa. A trama é explicada aos poucos, de modo muito interessante.

Jennifer Connelly está muito bem como a problemática mãe (que ficou ainda com mais problemas no roteiro dessa versão) e carrega o filme praticamente nas costas, salvando até a atuação da menina que representa sua filha (que não é carismática!) Se o roteiro tem um defeito, é explicar até demais alguns detalhes. Está tudo mastigadinho, de modo que ninguém tenha dúvidas do que está acontecendo.
A trilha sonora ficou ótima. Angelo Badalamenti (que já compôs as músicas de Twin Peaks e Eterno amor) fez uma trilha muito bonita e misteriosa, que combinou bem com o filme. Ao mesmo tempo que as músicas são mais sombrias, outras são emocionantes e dramáticas. Foi uma boa escolha na substituição do responsável pela trilha original: Kenji Kawai (de Avalon) Um detalhe que eu notei foram as tomadas externas. A fotografia azulada e as diversas cenas de ângulos vistos de cima me lembraram "O bebê de Rosemary" e acho que foi mesmo essa intenção, de mostrar a cidade como um lugar frio e cheio de pessoas. Connelly luta para tentar ficar com a filha, enquanto procura organizar sua própria vida num mundo apressado e confuso.

Eu discordo que "Água negra" seja um filme de terror. Apesar das cenas assustadoras, a história é um drama bastante humano cujo tema principal é a preservação da família. Por isso que muitos se decepcionaram com a fita, esperando assistir fantasmas que querem vingança! Não assista esperando levar sustos e não conseguir dormir de noite porque a proposta não é essa!É difícil falar do filme sem fazer comparações, mas ainda fico com a versão original. Hideo Nakata fez uma pequena obra prima. E Walter Salles conseguiu quase chegar lá. Para uma regravação, está ótimo. Eu não esperava que ficasse tão bom.

Cotação do Dai: ****
Dark Water (EUA, 2005) - Dirigido por: Walter Salles Com: Jennifer Connelly , John C. Reilly , Dougray Scott...

Observação: apesar da nacionalidade do diretor, não espere ver algo brasileiro. O filme é super Hollywoodyano e ainda acrescentou detalhes pop na trama original como bonecas Barbie e Hello Kitty (que, por coincidência, é um ícone japonês!)


Clique aqui para assistir o trailer do filme "Água negra":

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.