Super Hiper Mega Banner

#620-A troca

Indicado fácil ao Oscar 2009, o drama A troca conta a verídica história de Christine Collins, interpretada por Angelina Jolie (O procurado, Kung fu panda, Roubando vidas). A trama se passa em Los Angeles, na década de 20. Christine é uma mãe solteira. Ela trabalha em uma empresa de telefonia e cuida do filho Walter, de nove anos de idade. O calvário da mulher tem início quando ela chega do serviço e descobre que o filho desapareceu.

Desesperada, pede ajuda para a polícia, que inicia uma busca pelo paradeiro da criança. Depois de algum tempo o capitão J.J. Jones (Jeffrey Donovan) informa que achou Walter. Acompanhada de diversos repórteres, Christine vai ao encontro do menino, encontrado em outra cidade. A surpresa acontece quando ela nota que aquele não é o seu filho. Mesmo sem aceitar a troca, ela é forçada a levar a criança para casa, enquanto tenta provar que a polícia errou.

Photobucket
"Esse não é meu filho!"

De um outro lado está o reverendo Gustav Briegleb (vivido por John Malkovich, de A lenda de Beowulf). Ativista da comunicação, ele possui um programa de rádio onde faz denúncias sobre os abusos de poder da polícia de Los Angeles e toda a corrupção que acontece lá. Os caminhos de Gustav e Christine se cruzam e os dois tentarão fazer com que a verdade apareça. Hoje em dia o problema seria solucionado com um simples exame de DNA, mas antigamente as coisas eram mais complicadas.

A troca
O reverendo Gustav Briegleb

Paralelo a tudo isso, um policial acaba descobrindo uma série de crimes. A troca é um filme bem dramático e Angelina Jolie se sai muito bem no papel da heroína sofredora. Aqui ela não faz uma personagem sexy, mas uma batalhadora mãe que não desiste de encontrar o filho que sumiu. Delicada e ao mesmo tempo audaciosa, ela não mede esforços para conseguir justiça. A direção é de Clint Eastwood (Três enterros) e a história é realmente envolvente, principalmente por ter sido baseada em fatos.
Cotação do Daiblog:
DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Changeling (EUA, 2008) Dirigido por: Clint Eastwood. Com: Angelina Jolie, Gattlin Griffith, Michelle Martin, John Malkovich, Devon Conti, Jason Butler Harner, Riki Lindhome, Jeffrey Donovan, John Harrington Bland, Maria J. Rockwell...

Veja aqui o trailer do filme A troca legendado em português:


Daiblog

Quer ler mais sobre a história e os bastidores e entrevista do filme A troca? Então leia as notas de produção do novo filme de Angelina Jolie, com entrevistas e outras curiosidades interessantes. Atenção: o texto a seguir pode contar informações consideradas spoiler, ou seja, dados relevantes da história e quem podem estragar a apreciação de quem verá o filme pela primeira vez!

Notas de Produção

Há alguns anos, o roteirista e jornalista J. Michael Straczynski se deparou com a impressionante história de Christine Collins. “Uma fonte que eu tinha na prefeitura me ligou um dia e disse que estavam queimando documentos antigos e que havia algo que eu tinha que ver antes de ser incinerado”, ele lembra. “Então eu corri para lá, e encontrei a transcrição de uma audiência da prefeitura sobre o caso de Christine Collins. Comecei a ler o depoimento e pensei: ‘Isso não pode ter acontecido de verdade. Deve haver algum engano.’ Foi o suficiente para atrair a minha atenção antes que o registro fosse queimado.” Straczynski pesquisou a história por aproximadamente um ano, mergulhando nos detalhes da jornada de Collins, antes de finalizar o roteiro.

A chocante história baseada em fatos reais chamou a atenção dos produtores vencedores do Oscar® por UMA MENTE BRILHANTE Brian Grazer (O GÂNGSTER; O CÓDIGO DA VINCI; O PLANO PERFEITO) e Ron Howard (A LUTA PELA ESPERANÇA; O GRINCH; CÍRCULO DE PAIXÕES; O SEGREDO; UM SONHO DISTANTE).

Photobucket

“Gostei do tema de A TROCA, e achei a cultura em torno do incidente fascinante, e de certa forma estarrecedora. O fato de ter realmente acontecido dá à história muita profundidade emocional”, opina Grazer. Sabendo que o diretor/produtor Clint Eastwood (A CONQUISTA DA HONRA; CARTAS DE IWO JIMA; MENINA DE OURO; SOBRE MENINOS E LOBOS) tinha um pensamento similar quando se tratava de material baseado em fatos reais, Grazer e Howard ligaram para ele para conversar sobre o roteiro.

“Eu o levei comigo numa viagem para Berlim”, lembra Eastwood. “Na volta, eu o li e gostei bastante. Assim que cheguei, liguei para Brian e Ron e disse: ‘É, vou participar.’ O parceiro de produção de Eastwood, Robert Lorenz, ficou tão impressionado quanto as outras pessoas que haviam lido a trama de Straczynski. “Joe [Straczynski] tinha feito algo muito inteligente. Ele inseriu cópias de clippings noticiários a cada 15 ou 20 páginas no roteiro, para lembrar que aquilo era real. Não me surpreendi apenas por ser verdade, mas também por nunca ter ouvido falar nessa história antes.”

Photobucket

Eastwood, Lorenz e a produtora Imagine Entertainment estavam de acordo que a pessoa perfeita para viver a protagonista do filme, Christine Collins, seria a vencedora do Oscar® de Melhor Atriz Coadjuvante por GAROTA, INTERROMPIDA Angelina Jolie (O PROCURADO; KUNG FU PANDA; A LENDA DE BEOWULF; CAPITÃO SKY E O MUNDO DE AMANHÃ; O ESPANTA TUBARÕES; ROUBANDO VIDAS; LARA CROFT: TOMB RAIDER – A ORIGEM DA VIDA; AMOR SEM FRONTEIRAS). Mas, apesar da história precisa e de uma equipe de filmagem de primeira linha, Jolie ficou, inicialmente, relutante em assumir o papel de uma mãe cujo filho é seqüestrado.

A hesitação era compreensível, já que ela havia recentemente finalizado o retrato emocionante de Mariane Pearl em O PREÇO DA CORAGEM, a história verdadeira do seqüestro e assassinato do jornalista Daniel Pearl. No entanto, aberta a estudar possibilidades, Jolie resolveu ler o roteiro, e a interpretação de Straczynski da vida de Christine Collins a fez mudar de idéia. “É uma história extraordinária”, diz Jolie. “Eu não conseguia parar de ler. Quando Christine tinha algum contratempo e se levantava de novo, eu pensava: ‘Ótimo, você está de pé novamente!’

Com diretor, produtores e protagonista escolhidos, começou a busca pelos atores que viveriam os personagens do mundo de Christine Collins dos anos 20 e início dos anos 30. Enquanto ela seguia em frente para encontrar o filho, se deparava tanto com apoiadores quanto com caluniadores. Retratado por John Malkovich (QUEIME DEPOIS DE LER; A LENDA DE BEOWULF; ERAGON; COLOUR ME KUBRICK: A TRUE... ISH STORY; O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS; O LIBERTINO; JOHNNY ENGLISH; UM FILME FALADO; ADAPTAÇÃO; O RETORNO DO TALENTOSO RIPLEY; FILHOS DA MÁFIA; VOU PARA CASA; A SOMBRA DO VAMPIRO; JOANA D'ARC DE LUC BESSON; QUERO SER JOHN MALKOVICH; CARTAS NA MESA; O HOMEM DA MÁSCARA DE FERRO), o reverendo Briegleb e seu conhecimento da máquina municipal tiveram um papel essencial na busca de Collins.

A troca

Sobre o ativismo de Briegleb, Malkovich opina: “É, provavelmente, um exemplo distante do tipo de pressão que a mídia pode fazer. Briegleb tinha um programa de rádio em que fazia discursos e lia sermões. Ele realmente colocou os holofotes sobre a polícia de Los Angeles e no que considerava práticas tenebrosas.” O lendário advogado S.S. Hahn, interpretado pelo ator Geoff Pierson (D-WAR; SPARTAN; ATRÁS DAS LINHAS INIMIGAS; UM DIA PARA RELEMBRAR), assumiu o caso de Collins e plantou as sementes de uma futura legislação que eventualmente derrubaria as prisões por “Código 12” - Termo referente à prisão ou encaminhamento para hospital psiquiátrico de uma pessoa difícil ou inconveniente, normalmente mulher, sem mandato de prisão ou qualquer processo legal. Já o ator Jeffrey Donovan (ENCONTROS AO ACASO; HITCH: CONSELHEIRO AMOROSO; A BRUXA DE BLAIR 2: O LIVRO DAS SOMBRAS; A ISCA; TESTEMUNHA DA MÁFIA; SLEEPERS – A VINGANÇA ADORMECIDA) foi elencado como o impiedoso capitão J.J. Jones, chefe da Divisão Juvenil da Polícia de Los Angeles que pressiona a traumatizada Collins a aceitar outro menino como filho.

Com o caso Walter Collins ainda sem solução, uma revelação impressionante de uma investigação paralela viria à tona: a história de um assassino de crianças chamado Gordon Stewart Northcott serviria de palco para uma brincadeira psicológica de gato-e-rato entre Northcott e Christine Collins. Em 1928, o sobrinho de 15 anos de Northcott, Sanford Clark (Eddie Alderson – TRAÍDOS PELO DESTINO), levou a polícia a uma descoberta espantosa no rancho de seu tio próximo a Wineville, Califórnia. Lá, os policiais descobriram vestígios de crianças mortas com um machado. Ao escolher um ator para viver Northcott, Eastwood ficou chocado com a similaridade de aparência entre o assassino e Jason Butler Harner (O VIDENTE; O BOM PASTOR), que ficou com o papel.

A troca Angelina Jolie

Outros atores escolhidos para o filme são Denis O’Hare (UMA MÃE PARA O MEU BEBÊ; AWAKE – A VIDA POR UM FIO; CONDUTA DE RISCO; JOGOS DO PODER; O PREÇO DA CORAGEM; HALF NELSON; FORA DE RUMO; HEIGHTS; HORA DE VOLTAR; 21 GRAMAS; ANIVERSÁRIO DE CASAMENTO; POUCAS E BOAS), na pele do psiquiatra Jonathan Steel; Amy Ryan (ANTES QUE O DIABO SAIBA QUE VOCÊ ESTÁ MORTO; EU, MEU IRMÃO E NOSSA NAMORADA; MEDO DA VERDADE; CAPOTE; GUERRA DOS MUNDOS; CONTE COMIGO) retratando a prostituta Carol Dexter; o jovem Gattlin Griffith, que interpreta Walter Collins; e Devon Conti, vivendo Arthur Hutchins, o garoto manipulador que quer simplesmente se livrar da vida no meio-oeste.

A TROCA também traria personagens que eram uma mistura de pessoas e tipos que viveram na L.A. naquela época, como Lester Ybarra, detetive da Polícia de Los Angeles que estabelece um possível elo entre o caso Northcott e Walter Collins, vivido por Michael Kelly (TENDERNESS; INVENCÍVEL; O PAGAMENTO FINAL: RUMO AO PODER; MADRUGADA DOS MORTOS; CORPO FECHADO; O MUNDO DE ANDY). A vida e história de fundo do chefe de polícia James E. Davis (retratado por Colm Feore – O EXORCISMO DE EMILY ROSE; A BATALHA DE RIDDICK; O PAGAMENTO; SEGURANÇA NACIONAL; VELOZES E MORTAIS; A SOMA DE TODOS OS MEDOS; CHICAGO; PEARL HARBOR; O INFORMANTE; CIDADE DOS ANJOS; A OUTRA FACE), homem que tinha grande interesse em ver Christine Collins desaparecer, também seriam reimaginadas pelo roteirista.

A troca

Com o elenco formado, foi dado início à árdua tarefa de recriar o mundo de Los Angeles como era há quase 80 anos. Pesquisas iniciais por locações revelaram que prédios antigos haviam sido demolidos, ruas substituídas por grandes vias e bairros inteiros destruídos – incluindo aquele onde a família Collins morava (leste da Chinatown, na Los Angeles contemporânea). Os produtores recorreram ao desenhista de produção James Murakami (CARTAS DE IWO JIMA) e ao gerente de locação Patrick Mignano (INVASORES; NA NATUREZA SELVAGEM; INFERNO NA ESTRADA; A FAMÍLIA SOL, LÁ, SI, DÓ; UM TIRA DA PESADA 3) para visualizar o período da história na Los Angeles de hoje.

Murakami e sua equipe descobriram locais intocados no subúrbio de San Bernadino e Pasadena, que serviriam como a Los Angeles dos anos 20, e em San Dimas, onde um bloco de casas fornecia um retrato bastante próximo do que Murakami precisava para o interior e exterior da casa dos Collins. O supervisor de efeitos visuais Michael Owens (TROVÃO TROPICAL; A CONQUISTA DA HONRA; CARTAS DE IWO JIMA; GANGUES DE NOVA YORK; COWBOYS DO ESPAÇO; ENCONTRO MARCADO; 101 DÁLMATAS; AS CONFUSÕES DE UM SEDUTOR; AS BRUXAS DE EASTWICK; INDIANA JONES E O TEMPLO DA PERDIÇÃO; STAR WARS: EPISÓDIO VI – O RETORNO DE JEDI; E.T. – O EXTRATERRESTRE; JORNADA NAS ESTRELAS II – A IRA DE KHAN) foi chamado para acrescentar elementos a essa Los Angeles que estava sendo recriada, como o horizonte da cidade e os bondes vermelhos que na época populavam a região.

A troca

O bonde do filme foi equipado com um motor, e assim pôde ser dirigido nas ruas de Pasadena e Los Angeles durante as filmagens. Eastwood comenta a mudança visual pela qual Los Angeles passou nos últimos anos: “Levo vantagem porque sou mais velho que Rob e os outros”, brinca. “Então, me lembro de muita coisa. Quando eu cheguei em Los Angeles, nos anos 50, a cidade era bem diferente. E os bondes vermelhos estavam em tudo quanto era lugar. Eram muito populares na época.”

Outro cenário importante para o filme seria o rancho de Northcott. A produção escolheu filmar em Lancaster, a 120 quilômetros ao norte de Los Angeles, em uma pequena fazenda. Para criar o design, Murakami e equipe viajaram para a fazenda original onde os assassinatos ocorreram. “Estar ali era muito estranho”, observa o desenhista de produção, “mas necessário para a equipe entender a topografia e layout”. Usando fotos de jornais da época, eles recriaram o local.

A troca

Depois de trabalhar em filmes de Clint Eastwood que se passavam nos anos 40, a figurinista Deborah Hopper (A CONQUISTA DA HONRA; CARTAS DE IWO JIMA; MENINA DE OURO; SOBRE MENINOS E LOBOS; DÍVIDA DE SANGUE; COWBOYS DO ESPAÇO) conhecia cada loja de vestuário vintage de Los Angeles ao Canadá. E ela usaria todos os contatos para encontrar uma seleção de roupas e sapatos para aproximadamente mil homens, mulheres e crianças presentes na produção. Ela precisaria de mais pesquisa, no entanto, para retratar com precisão a quantidade de trajes da época da Grande Depressão. De operárias a mulheres de sociedade da época, o estilo do fim dos anos 20 incluía uma silhueta recatada, com vestidos de cintura baixa, casacos com gola de pele e chapéus cloche usados com luvas de crochê.

Ao pesquisar imagens de Christine Collins, Hopper pôde compilar informações suficientes para criar uma paleta precisa e complementar para Angelina Jolie. Um item de vestuário inesperado para diversas cenas de Jolie na empresa de telefonia em que Collins supervisiona uma equipe de funcionárias era um par de patins de couro... com saltos. Jolie aprenderia – graças, em parte, a fotos do período que documentavam a prática – a ir e vir no set de filmagem usando este meio de transporte ímpar. “Patinar de salto para um papel foi uma das coisas mais engraçadas que já fiz na minha carreira”, ri a atriz.

A troca Angelina Jolie

A produção surtiu grande efeito em todo o elenco e equipe, especialmente em Jolie. “Em filmes que requerem uma atuação profunda, você realmente chora junto, sente raiva junto e vai até o fim. É uma pequena jornada que gera um elo como seres humanos”, opina a atriz. Eastwood conclui com uma frase do ator Jimmy Cagney, mas que podia ter sido dita pela própria Christine Collins: “Quando pressionado por caluniadores, uma coisa que todos nós podemos fazer é “fincar os pés no chão e dizer a verdade.”

Nota: Todas as imagens do filme A troca usadas neste texto pertencem a Imagine Entertainment, Malpaso Productions. Copyright: © 2008 Universal Studios.

Tecnologia do Blogger.