Super Hiper Mega Banner

Cinema Especial - Encontro de casais


Em 1996, Vince Vaughn (Surpresas do amor; Impulsividade; Inimigo em casa) e Jon Favreau (Força G; Homem de ferro) apareceram no radar de Hollywood com SWINGERS – CURTINDO A NOITE. A comédia fez deslanchar a carreira dos dois e, em 2007, ganhou o prêmio Guy Movie Hall of Fame no GUYS CHOICE AWARDS, da Spike TV. Em seguida à filmagem do prêmio, Vaughn e Favreau voltaram a um dos locais do filme, o Dresden Room, para comemorar. Lá, Vaughn conversou com Favreau sobre o conceito de ENCONTRO DE CASAIS. “Tive uma ideia sobre um grupo de amigos casados que têm problemas típicos de relacionamento, com alguns sendo mais extremos que os outros”, diz Vaughn. “Vince me abordou com a proposta de trabalharmos juntos novamente depois de muitos anos”, conta Favreau. “E quando ele me falou da trama, achei empolgante.”
Vaughn também entrou em contato com Scott Stuber (Gritos mortais), com quem havia trabalhado em SEPARADOS PELO CASAMENTO. “Vince e eu sempre conversamos sobre ideias novas para fazermos juntos. Quando soube de ENCONTRO DE CASAIS, achei que seria uma bela forma de explorar relacionamentos através de um grande conceito cômico”, diz Stuber. Assim que Favreau concordou em escrever o roteiro com Vaughn e a escritora de comédias Dana Fox (Jogo de amor em Las Vegas), os colaboradores começaram a esboçar a história, focando em quatro casais do Centro-Oeste americano. A busca de Vaughn por um diretor teve início e fim com Peter Billingsley, que tinha um belo trabalho como produtor, incluindo parcerias com Vaughn, o que tornou a escolha bastante simples. “ENCONTRO DE CASAIS é o quarto trabalho que fazemos juntos. Nossos projetos anteriores me ajudaram a dirigir esse filme. Entendo como o Vince gosta de desenvolver a história e os personagens, e nós dois sabíamos o que queríamos alcançar com esse filme.”
Daiblog Especial - Encontro de casais
Na hora de escolher o elenco, o diretor e os produtores buscaram atores não apenas cômicos, mas artistas que pudessem encarar viradas dramáticas. “Três dos quatro casais estão casados há anos, então eles precisavam ter as nuances comuns aos casamentos”, diz Stuber. Para Vaughn, que vive Dave, seu personagem é alguém com o qual consegue se identificar, e isso vale também para o público. “Ele é um cara comum que tem uma vida ótima”, conta Vaughn. “É um grande pai e marido, mas nunca diminui o ritmo para apreciar a vida. Quando chega à ilha, é forçado a parar e refletir: ‘Eu e minha esposa temos problemas, ou os terapeutas estão passando do limite?’”
Jason Bateman (Juno; O ex-namorado da minha mulher) interpreta Jason, um marido exageradamente analítico cuja apresentação em PowerPoint convence os amigos a irem para o Éden. “Recebi uma ligação e soube que era uma comédia com Vince Vaughn e Jon Favreau. Ela se passava em Bora Bora, e eles tinham batizado o meu personagem com o meu próprio nome. Não dava para ser melhor que isso”, diverte-se Bateman. Além de atuar como roteirista, Favreau também ficou encarregado de empenhar o papel de Joey, um homem à beira do divórcio. “Joey é o que acontece quando você para de fazer esforço em seu casamento e tudo morre, mas você arrasta aquilo por 20 anos.” Separado da mulher e passando por sua própria crise de meia-idade, Shane é interpretado por Faizon Love (Animal). “Quando me convidaram para o papel, parecia um trabalho de escola porque Jon, Vince, Peter e eu somos amigos faz tempo”, revela Love. “Shane não está numa fase boa, e tem uma namorada de 20 anos, mas ela o faz se sentir jovem novamente e ele está tentando esquecer o fato de que está se divorciando.”
Daiblog Especial - Encontro de casais
Quem interpreta Ronnie, mulher de Dave, é a atriz sueca Malin Akerman (Watchmen - O filme; Vestida para casar; Antes só do que mal casado). “O que eu gostei na história foi que os quatro casais são muito diferentes”, ela explica. “Estou casada há dois anos, e é fácil nos identificarmos com a trama. Relacionamentos são complicados, e demandam muito trabalho.” Para o papel da esposa de Jason, Cynthia, os produtores voltaram-se para Kristen Bell (Pulse). “Cynthia foi muito importante, por algumas razões”, explica Billingsley. “Não há infidelidade em seu casamento, mas ela é muito exigente e sente que há um caminho e um processo para tudo.”
Quem vive Lucy, a outra metade infiel de Joey, é Kristin Davis (Sex and the city – O Filme), que opina: “Lucy é um papel muito diferente para mim. Foi engraçado porque, quando li o roteiro pela primeira vez, pensei: ‘Eles realmente querem que eu interprete Lucy?’ Eu ficava relendo a parte da descrição dos personagens, porque realmente não sou a escolha mais óbvia. Mas é por isso que é divertido e emocionante. Às vezes é preciso outros atores para enxergar um ator de forma diferente.” Trudy, a impetuosa namorada de Shane, é vivida por Kali Hawk. O produtor Stuber comenta: “Kali tinha uma tarefa difícil à sua frente ao ser escalada para interpretar Trudy, e ela se saiu muito bem. Volta e meia, com apenas um pequeno olhar ou uma virada de cabeça, ela nos fazia dar gargalhadas.”
Daiblog Especial - Encontro de casais
Depois que Jason e Cynthia convencem seus amigos a irem para o Éden, os outros casais descobrem que atividades como andar de jet ski ou pegar sol na praia só podem ser feitas depois da terapia de casal que tem início às 6 da manhã. Quem mantém cada par na linha é Sctanley, host do hotel, vivido pelo comediante inglês Peter Serafinowicz (Maratona do amor). Também na divertida equipe do Resort Éden está o instrutor de ioga Salvadore, interpretado por Carlos Ponce (Sorte no amor). Todos os ensinamentos do hotel são baseados na filosofia do mundialmente renomado guru de casais monsieur Marcel, vivido por Jean Reno (O código Da Vinci; Rios vermelhos). “Se há uma mensagem que Marcel quer compartilhar com o restante do mundo é se despir na frente das pessoas que ama”, brinca Reno. “Se despir dentro de sua mente, não apenas fisicamente. Não esconder e não mentir. Mesmo que doa, é sempre melhor dizer a verdade a quem você ama.”

Completando o elenco de ENCONTRO DE CASAIS estão Gattlin Griffith (A troca) e Colin Baiocchi como Robert e Kevin, filhos de Dave e Ronnie; Tasha Smith na pele de Jennifer; Temuera Morrison vivendo Briggs, o assistente de Marcel; a novata Jonna Walsh como Lacey, filha de Lucy e Joey; e John Michael Higgins (Sim senhor) e Ken Jeong (Se beber, não case; Ligeiramente grávidos) interpretando dois terapeutas nada ortodoxos do Resort Éden.
Daiblog Especial - Encontro de casais
Com o elenco completo, os produtores iniciaram sua busca pela locação perfeita para o Resort Éden. “Perguntei ao nosso desenhista de produção, Shepherd Frankel: ‘Se pudéssemos escolher qualquer lugar do mundo para gravar o filme, onde seria?’”, lembra Billingsley. “Então começamos a considerar todos os lugares tropicais do planeta.” Assim que os produtores viram o mar azul turquesa que cerca as praias de areias brancas de Bora Bora, souberam que tinham encontrado um cenário ideal. Depois de estudar a ilha, a produção fechou um contrato com o Resort St. Regis Bora Bora . “O St. Regis é espetacular e é em si mesmo uma ilha, sem ruas ou carros”, diz o diretor. “A única forma de chegar lá é de barco, e os bangalôs sobre a água são incríveis.
Eles têm 162m2, o que nos deu bastante espaço para filmar internamente. O hotel também tem um belo lago com a montanha de Bora Bora ao fundo, o que funcionou perfeitamente para o deque de ioga que queríamos construir. Além disso, eles estavam dispostos a fechar o resort inteiro, permitindo que usássemos toda a propriedade.” Como produções de cinema raramente chegam a Bora Bora, a equipe precisou mandar todo o equipamento por navio e avião: foram 15 contêineres de seis metros e dois de 12 metros repletos de equipamentos. Fora isso, cerca de 120 pessoas do elenco ou da equipe do filme foram levadas ao local.
Daiblog Especial - Encontro de casais
Em 4 de outubro de 2008, a produção teve início no cais de recepção do Resort St. Regis enquanto o diretor de fotografia Eric Edwards (Maldito coração) e Billingsley orquestravam uma tomada icônica de quatro casais chegando no Éden de barco. “O cenário é tão lindo, parece até que o criamos e colocamos corante na água!”, diz Billingsley. “É azul-turquesa, translúcida e tudo sobressai tanto que as pessoas podem achar que nós manipulamos a imagem, mas é 100% real.” Um dos muitos desafios de filmar em Bora Bora foi locomover elenco, equipe e equipamento para o set todos os dias.
A única forma de transporte era a frota de barcos e balsas. Sob a direção do coordenador marítimo DAN MALONE (Caso 39), pessoas e equipamentos foram transportados do aeroporto, portos e de quatro hotéis diferentes diariamente. “Em Bora Bora, tudo é feito pelo mar”, diz Malone. “Tivemos que fornecer mais energia ao St. Regis com os nossos geradores, que foram levados em grandes balsas. Também locomovemos toda a produção com essas balsas.” Outro desafio para a equipe de ENCONTRO DE CASAIS foi supervisionar as gravações feitas na água. Uma das cenas envolvia os atores entrando em um mar povoado por tubarões. “Escolhemos uma área que ficava a 10 minutos de barco, com uma profundidade de 6 metros, e levamos uma frota de 15 barcos e balsas”, lembra Malone. “Tínhamos uma grua numa balsa, assim como uma equipe de mergulho de apoio. Levamos o elenco para salas verdes flutuantes entre as tomadas, foi uma preparação incrível.”
Daiblog Especial - Encontro de casais
O desenhista de produção Shepherd Frankel ficou encarregado de transformar o belo St. Regis nos inúmeros sets necessários para criar o Resort Éden. Um dos pontos focais seria seu centro comunitário, palco das sessões de terapia. “O centro comunitário é o coração do Éden, assim como o lugar onde os casais se unem para a terapia”, explica Frankel. “Quando chegamos no St. Regis, estávamos procurando um local que tivesse a melhor vista possível. Não conseguíamos encontrar uma estrutura na propriedade, até acharmos uma ilhota adjacente seca, com areia escura e algumas palmeiras, mas que tinha uma bela vista da montanha de Bora Bora. Então, construímos a estrutura do centro comunitário e trouxemos areia branca para a praia.”
O design do centro, de 18 por 9 metros, ficou incrível no papel, mas Billingsley, Vaughn e Stuber se perguntavam como poderiam criá-lo em tão pouco tempo. O diretor explica a solução: “Shepherd o desenhou inspirado no artesanato local, para que fosse construído com materiais da Polinésia. O telhado de sapê era algo que nossa equipe não teria feito em um curto espaço de tempo, mas os polinésios o finalizaram em uma semana. Foi incrível ver a maneira como trabalhavam. Eles também atuaram junto à equipe ocidental para erguer colunas de concreto e montar estruturas de iluminação.”
Encontro de casais
Um dos maiores desafios surgiu quando a produção voltou ao Galpão 12 na Universal. Lá, precisou criar o maior set do filme: o Éden Leste, repleto de tendas, tochas, um palco e uma enorme piscina. Explicando o racional dessa tomada, Billingsley diz: “Não era prático levar 300 figurantes para Bora Bora. O filme todo vai para o Éden Leste como uma Meca, então sabíamos que esse lugar tinha que ser demais. Ao mesmo tempo, precisávamos ter a habilidade de reduzir a escala do set para isolar o som na hora dos momentos emotivos de cada casal.” O diretor continua: “Gravamos as cenas do Éden Leste em janeiro, em Los Angeles. Se tivéssemos usado uma mansão com piscina aquecida, pessoas estariam de biquíni às 4 da madrugada, a 10 graus, com vapor saindo da água, o que seria estranho. Então, Shepherd construiu algo no estúdio. Assim, pudemos gravar o dia todo e ter um ambiente de temperatura controlada com água quente sem vapor.”
Encontro de casais
Resumindo a ideia de ENCONTRO DE CASAIS, Vaughn conclui: “A história tinha que oferecer uma identificação para que o público visse um pouco de si em um dos quatro casais e desse risadas das situações e obstáculos que eles encaram e precisam superar. Eu também queria que o roteiro tivesse muita esperança e desejos realizados. Apesar de ser difícil, é melhor amar e se empenhar no relacionamento do que não tê-lo.”

Veja aqui o trailer do filme Encontro de casais legendado em português:

Um comentário:

  1. Michel, sim sou eu mesmo que faço os pôsteres, acho que to sendo o terror das distribuidoras, porque antes eles demorava seculos para fazer os pôsteres brasileiros e agora em dias ou semanas já tem os oficiais.

    ResponderExcluir

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.