Super Hiper Mega Banner

Cinema Especial - Cate Blanchett

Cate Blanchett, que interpretou mais recentemente Irina Spalko no sucesso de Steven Spielberg, Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, foi indicada a dois Oscar® este ano, como Melhor Atriz por Elizabeth: A Era de Ouro e como Melhor Atriz Coadjuvante por Não Estou Lá, transformando-a na quinta atriz a ser indicada às duas categorias de atuação ao mesmo tempo, no mesmo ano, ao longo dos 80 anos de história da Academia. Além disso, foi indicada ao SAG e ao BAFTA por Elizabeth – A Época de Ouro. Também foi indicada ao SAG e ao BAFTA, recebeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cinema de Veneza, de Melhor Atriz Coadjuvante no Globo de Ouro e o Prêmio Independent Spirit por seu trabalho em Não Estou Lá.
Daiblog
Notas sobre um escândalo

Blanchett recebeu anteriormente o Oscar® de Melhor Atriz Coadjuvante por sua atuação aclamada pela crítica como Katherine Hepburn em O Aviador, de Martin Scorcese. Também recebeu indicações ao BAFTA, ao SAG e ao Globo de Ouro® pelo mesmo papel. Em 1999, foi indicada ao Oscar® pela primeira vez e recebeu seus primeiros BAFTA e Globo de Ouro® pela interpretação de outra figura famosa, a Rainha Elizabeth I, em Elizabeth – A Era de Ouro, de Shekhar Kapur. Subseqüentemente, recebeu indicações ao Oscar®, ao Globo de Ouro® e ao Screen Actors Guild pelo desempenho em Notas Sobre Um Escândalo, contracenando com Judi Dench. Estrelou recentemente os filmes O Segredo de Berlim, dirigido por Steven Soderbergh, contracenado com George Clooney e Tobey Maguire; e Babel, com Brad Pitt.
Daiblog
Babel

Blanchett também foi indicada ao Globo de Ouro® de Melhor Atriz pelo papel-título do filme de Joel Schumacher O Custo da Coragem; e pelo trabalho em Vida Bandida, de Barry Levinson. Entre seus outros créditos em cinema podemos citar a trilogia O Senhor dos Anéis; A Vida Marinha com Steve Zissou, de Wes Anderson; Sobre Café e Cigarros, de Jim Jarmusch, pelo qual foi indicada ao Independent Spirit; Desaparecidas, de Ron Howard, contracenando com Tommy Lee Jones; Charlotte Gray – Paixão Sem Fronteiras, dirigida por Gillian Armstrong; Chegadas e Partidas, de Lasse Hallstrom com Kevin Spacey; Sob o Efeito da Água, de Rowan Woods, com Sam Neill e Hugo Weaving (pelo qual recebeu o Prêmio AFI de Melhor Atriz); Alto Controle, de Mike Newell com John Cusack; Um Marido Ideal, de Oliver Parker; O Talentoso Ripley, de Anthony Minghella, pelo qual foi indicada ao BAFTA de Melhor Atriz Coadjuvante; O Dom da Premonição, de Sam Raimi; e Por que Choram os Homens, de Sally Potter, pelo qual foi indicada a Melhor Atriz Coadjuvante pelo National Board of Review.
Daiblog
Robin Hood

Graduada pelo Instituto Nacional Australiano de Arte Dramática (NIDA), Blanchett começou sua lista de créditos no cinema com os filmes Um Canto de Esperança, de Bruce Beresford; Ainda Bem que Ele Conheceu Lizzie, pelo qual recebeu os prêmios do Instituto de Cinema da Austrália (AFI) e do Sydney Film Critics como Melhor Atriz Coadjuvante; e Oscar e Lucinda, contracenando com Ralph Fiennes, pelo qual também foi indicada ao AFI como Melhor Atriz.

Seu trabalho abrangente em teatro inclui produções com a Company B, em Belvoir Street, Sydney, sob a direção de Neil Armfield. Seus papéis incluem Miranda em A Tempestade, Ofélia em Hamlet, pelo qual foi indicada ao prêmio Green Room, Nina em A Gaivota, e Rose em The Blind Giant is Dancing. Na Companhia de Teatro de Sydney atuou em Top Girl, de Caryl Churchill, em Oleanna, de David Mamet (tendo recebido o prêmio do Sydney Theater Critics de Melhor Atriz), Sweet Phoebe, de Michael Gow e Kafka Dances, de Timothy Daly, pelo qual recebeu o prêmio de Revelação do Critics’ Circle. No Almeida Theatre, em 1999, Blanchett interpretou Susan Traheren na peça Plenty, de David Hare, no West End londrino.
Daiblog
O curioso caso de Bejamin Button
Em 2004, Blanchett retornou à Sydney Theatre Company para fazer o papel-título na adaptação de Andrew Upton de Hedda Gabler. A peça foi sucesso de crítica, conquistando o prestigioso Prêmio Helpmann de Melhor Atriz de Teatro. A produção fez uma temporada com bilheteria totalmente esgotada na Brooklyn Academy of Music em 2006, na estréia de Blanchett em Nova York.
Ela estreou como diretora com a peça A Kind of Alaska na Companhia de Teatro de Sydney, seguida de uma produção de Blackbird, de David Harrower e de The Year of Magical Thinking, de Joan Didion.
Blanchett é membro do Australian Museum Board of Trustees e embaixadora da Australian Conservation Foundation, da SolarAid, do Australian Film Institute e do Sydney Film Festival. Ela e o marido, Andrew Upton, foram nomeados recentemente co-diretores artísticos da Companhia de Teatro de Sydney. A temporada de estréias começa em 2009. Recentemente trabalhou também no filme O curioso caso de Benjamin ButtonRobin Hood.

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.