Super Hiper Mega Banner

#924-Sucker Punch - Mundo Surreal

Zack Snyder (Watchmen - O Filme) é quase um novato no mundo cinematográfico. Tem poucos filmes em seu currículo e, embora todos sejam excelentes, nenhum é de sua autoria. São todos adaptações ou refilmagens de obras pré-existentes. Mas eis que em 2011 chega aos cinemas Sucker Punch - Mundo Surreal, seu primeiro trabalho baseado em ideia própria.

O longa começa como um clipe. Enquanto toca Sweet Dreams, em um excelente regravação para o filme e interpretada pela protagonista, vemos uma seqüência de fatos que levaram Babydoll (Emily Browning, de Desventuras em Série) ao sanatório, internada pelo próprio padrasto que que lobotomizá-la para ficar com a herança. Ela tem então cinco dias para fugir do lugar. Para isso conta com a ajuda de quatro amigas:
Sweet Pea (Abbie Cornish, de Candy e A Lenda dos Guardiões), Rocket (Jena Malone, de As Ruínas e Orgulho e Preconceito), Blondie (Vanessa Hudgens, de High School Musical 3) e Amber (Jamie Chung, de Dragon Ball Evolution).
Na cabeça de Babydoll, o asilo é um cabaré onde elas são dançarinas; a terapeuta é uma cafetina e professora de dança e o enfermeiro-chefe é o cruel dono do estabelecimento. E é justamente sua imaginação que vai ajudá-la a fugir do lugar. A história é simples e, sinceramente, não traz nada de muito novo. Ouso dizer que é até fraca, mas a forma como ela é contada é que faz toda a diferença.
O grande destaque do filme são as seqüências de ação imaginadas pela heroína. E conta com demônios samurais gigantes, zumbis nazistas setampunks, robôs assassinos, orcs, cavaleiros medievais e dragões. O visual do filme, como se espera de Snyder, é belíssimo, com alguns momentos de sutilezas, como a classe de um floco de neve caindo em câmera lenta nos cílios da menina - sublime. A trilha sonora é um espetáculo a parte, com regravações de músicas conhecidas cantadas pela por Babydoll, como o dueto Where Is My Mind e Sleep. Destaque também para um mashup de I Want it All e We Will Rock You.
Vejo o filme como um exercício de direção para Snyder, que trata cada um dos segmentos da imaginação de Babydoll com visuais e estilos de filmagem distintos. A parte da 1ª Guerra Mundial é filmada com closes e câmeras na mão. Usa uma paleta de cores acinzentadas, tudo isso já de praxe em qualquer filme de guerra. Já o segmento futurista apresenta cores industriais como o laranja, o marrom e o verde, junto com o prateado dos robôs. Tudo isso filmado em um "plano seqüência" com muita câmera lenta e acelerada.
No final, o filme é como aquela meia que você ganhou da sua tia de natal. Só que embalada no papel de presente mais bonito que você já viu e com um laço gigante. É uma história meio óbvia, mas a embalagem é tão caprichada que dá a impressão de um filme incrível. Mas cá entre nós, desde a primeira imagem liberada nós sabemos que o filme não passava de uma loucura de Zack Snyder, que não precisa necessariamente fazer sentido, que está lá somente para entreter, e nisso o filme é extremamente feliz. Entregou justamente o que prometia, e de brinde ainda manda uma mensagem legal no final. Divertimento garantido.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Sucker Punch - Mundo Surreal:


Sucker Punch (EUA/Canadá, 2011) Dirigido por Zack Snyder. Com Emily Browning, Abbie Cornish, Jena Malone, Vanessa Hudgens, Jamie Chung, Carla Gugino, Oscar Isaac, Jon Hamm, Scott Glenn, Richard Cetrone, Gerard Plunkett, Malcolm Scott, Ron Selmour...

Daiblog Quer ver o filme Sucker Punch - Mundo Surreal?


4 comentários:

  1. estou LOUCA pra ver esse filme! *o* Eu gosto desses q prometem o simples e puro entretenimento e que são bem sucedidos. Tem uns q prometem isso e não dão conta...No final, não importa se o filme tem conteúdo, o objetivo é cumprir o que se propôs a fazer.

    ResponderExcluir
  2. Dai, a Jena Malone é que interpreta a Rocket e a Abbie Cornish a Sweet Pea, não o contrário.

    Anyway, você não achou que o filme leva o próprio roteiro a sério demais? Achei que o Zach Snyder tentou imprimir uma profundidade ao filme que ele simplesmente não suporta. Estranhamente, acho se ele tivesse dado menos atenção à história, teria feito um filme melhor.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ten! Valeu pela dica! Já consertei os nomes das personagens. Quanto ao filme eu não sei porque ainda não vi. Quem escreveu esse texto foi o Pedro Bueno. Você conhece a equipe que escreve para o Daiblog? Veja aqui: http://www.daiblog.com.br/p/sobre-o-daiblog.html

    ResponderExcluir
  4. Uma aventura que chama à atenção, pela qualidade dos efeitos especiais e pela loucura da estória, que em sí não é nada demais, mas varia de um extremo ao outro, coisas inimagináveis aparecendo e acontecendo, muito louco...rs, eu gostei do filme.

    ResponderExcluir

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.