Super Hiper Mega Banner

#963-Capitão América - O Primeiro Vingador

Por Anna Beatriz Lisbôa - annalisboav@gmail.com do Clica em Cinema

Confesso que não esperava muita coisa de Capitão América: O Primeiro Vingador, que chega aos cinemas nesta sexta-feira. Mesmo com os bons presságios do ótimo X-Men: Primeira Classe, vale lembrar que filmes inspirados em quadrinhos têm sido fonte constante de frustração. Além disso, o próprio Chris Evans, que encarna o herói da Marvel, protagonizou os lamentáveis Quarteto Fantástico e Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado.
Para completar, há toda a ideologia que envolve Capitão América, um super-herói nascido durante a Segunda Guerra Mundial, época de nacionalismos inflamados. Sob a ótica atual, o patriótico herói aparece como uma espécie de Tio Sam musculoso kitsch, uma anacrônica máquina de matar nazistas, carregado com a intolerância e os preconceitos que tempos de guerra pressupõem. Grosso modo, Capitão América é como futebol americano: nascido das idiossincrasias da cultura ianque, não tem a menor vocação para universalidade.
No entanto, ao contar a origem deste primeiro Vingador, Joe Johnston (O Lobisomem) consegue o que parecia impossível: transformar o ultranacionalista Capitão América em um personagem com quem o espectador possa ter o mínimo de identificação.

Em Capitão América, Evans deixa seus dias de playboy flamejante para trás e vive o franzino Steve Rogers, um rapaz que, apesar de seu físico pouco favorável, tem uma coragem desproporcional ao seu tamanho. Seu sonho é alistar-se no exército para combater a ameaça nazista, porém vive sendo rejeitado por conta de sua fragilidade. A obstinação do rapazinho impressiona Dr. Erskine (Stanley Tucci interpretando o cientista alemão de maneira caricatural), que o admite nas Forças Armadas.
Porém os objetivos do cientista são mais obscuros. Erskine vê em Rogers a chance de construir um soldado superlativo em todos os aspectos - forte, ágil e valoroso – e o usa como cobaia em suas experiências. É aqui que encontramos o ponto em comum entre nazistas e americanos. Não são apenas os comparsas de Hitler que conduziam experimentos nefastos com seres humanos objetivando a perfeição a todo custo. Aliás, o tipo físico nórdico de Capitão América - alto, loiro e musculoso - satisfaz perfeitamente os padrões nazistas. Sabiamente, o filme não enfatiza, nem tenta encobrir esta ambiguidade. De um lado, temos Capitão América defendendo a liberdade e a democracia, do outro o megalomaníaco Caveira Vermelha (Hugo Weaving) representando toda a insanidade nazista. Ambos são cobaias de experiências científicas. Neste contexto maniqueísta, extremamente simplificado, a única diferença entre os dois é a representação do bem e do mal.
O irônico é que, mesmo depois de sua milagrosa transformação, Rogers ainda precisa provar o seu valor, o que aproxima o personagem do espectador. A força física e beleza devastadora de Rogers se contrapõem à sua ingenuidade e humildade.
O herói percorre um longo caminho até chegar às trincheiras e realizar seu sonho. A princípio, os poderosos decidem que ele servirá melhor como garoto-propaganda do que como soldado. Transformando Capitão América em “corista” para ajudar a arrecadar dinheiro para o esforço de guerra, o filme ressalta a maneira com que tudo se converte em espetáculo na cultura americana, referenciando o próprio fenômeno dos quadrinhos do Capitão América nos anos 40. Aliás, a direção de arte cuidadosa e a trilha sonora dão um charme a mais ao longa. É uma pena que o 3D improvisado, além de não acrescentar coisa alguma à experiência, ainda comprometa a fotografia do filme.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Capitão América:


Captain America: The First Avenger (EUA, 2011) Dirigido por Joe Johnston. Com Chris Evans, Hugo Weaving, Hayley Atwell, Sebastian Stan, Tommy Lee Jones, Hugo Weaving, Dominic Cooper, Richard Armitage, Stanley Tucci...
Daiblog Quer ver o filme Capitão América?

Um comentário:

  1. Que filme massa!! Legal ver um filme de herói ambientado na segunda guerra mundial, ver como surgiu o personagem, era um Hobbit... hehehehe... depois virou um super soldado e que ganhou respeito pelos seus feitos. Aplausos pra todas as questões técnicas do filme e entretém muito bem, show de bola!

    ResponderExcluir

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.