Super Hiper Mega Banner

Crítica do filme Gata Velha Ainda Mia

*Por Barbara Soares - Especial para o Daiblog

Gata Velha Ainda Mia, primeiro longa do ator e dramaturgo Rafael Primot, é um filme complexo, perturbador e sombrio. Contendo uma mistura de gêneros que vão desde o drama ao suspense e, até mesmo, o terror, o filme narra a história de Glória Polk, vivida por Regina Duarte, uma escritora que atingiu o sucesso há anos mas que agora, velha e decadente, tenta retornar ao ofício e terminar seu primeiro livro em 17 anos. É quando sua vizinha, a jornalista Carol, vivida por Barbara Paz, vai até sua casa para entrevistá-la, dando início a uma noite longa e cheia de revelações.

Arrisco dizer que mesmo quem conhece a fundo a carreira de Regina Duarte se surpreenderá com sua interpretação neste filme. Sem dúvida alguma o carro-chefe do projeto, o trabalho fenomenal da atriz, conhecida por suas novelas, a despe de qualquer proteção emocional e física: são evidentes suas rugas, seu cabelo despenteado, suas imperfeições, e, no caso da personagem, a consciência dela de tudo isso. Glória é uma mulher forte, mas amargada pelo tempo, vivendo em um apartamento lotado de bibelôs dos quais não abre mão por serem souvenirs de um passado mais feliz. Eloquente e sem “papas na língua”, a “mais importante feminista do Brasil”, de acordo com ela mesma, roubaria todas as cenas do filme se já não fossem todas suas. Já Barbara Paz apresenta uma personagem mais fraca, mas ainda assim multifacetada, não decepcionando com sua atuação sempre espontânea.

Funcionando quase como uma peça de teatro em forma de filme, já que a maioria da historia se passa em uma só noite e lugar, o filme constrói um conflito que exalta e explora intimamente suas ótimas intérpretes. A longa conversa entre as duas é fascinante primeiramente pelas belas e profundas reflexões feitas por Glória, que filosofa sobre sua vida, amores, e, principalmente, sua velhice (“minha majestade agora cabe num vaso”) . E segundo, pelo claro embate que há entre a experiente escritora e a jovem jornalista. No começo da noite, é um conflito superficial, como nos hilários momentos em que Carol tenta ser educada apenas para ser cortada pela honestidade brutal de Glória, mas, ao longo da noite, a relação entre as duas toma contornos muito mais sérios e intensos.
É difícil criticar um filme como esse sem revelar demais, mas basta dizer que a história surpreende até os minutos finais e que a realidade mostrada aos poucos se faz mais questionável. Este é um filme metalinguístico, onde fantasia e realidade, autor e personagem, se misturam. Mas, mais de que tudo, é um intenso estudo de personagem no qual a protagonista tenta avidamente provar o que o título sugere: que “gata velha ainda mia”, ou seja, que o tempo não a derrotou e que o final de seu livro e também de sua vida ainda estão sob seu controle.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Gata Velha Ainda Mia:

Gata Velha Ainda Mia (Brasil 2014), Escrito e Dirigido por Rafael Primot. Com Regina Duarte, Barbara Paz, Gilda Nomacce...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.