Super Hiper Mega Banner

Crítica do filme Amor, Plástico e Barulho

*Por Michel Toronaga - micheltoronaga@daiblog.com.br

Amor, Plástico e Barulho adentra no universo particular das cantoras de música brega no Nordeste. Premiado no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em 2013, o longa-metragem dirigido por Renata Pinheiro chama a atenção pela temática original, sustentada pela força das protagonistas, interpretadas pelas ótimas Maeve Jinkings (a musa do cinema brasileiro) e Nash Laila (um nome para ser observado com atenção).
 
Com uma trilha sonora repleta de canções com letras piegas, a trama fala de duas artistas em momentos distintos da carreira: a veterana Jaqueline, que começa a experimentar o esquecimento, e Shelly, que ainda sonha com o sucesso.
Em um mundo de fama efêmera, entre CDs piratas e roupas de gosto duvidoso, elas entram em conflito por não existir muito espaço para as duas. Mas a grande questão não é concorrência e competição entre as artistas. E sim a cruel realidade um pseudo-sucesso, onde a fama dura menos do que se pode imaginar.
Destaque para a direção de arte, com muito neon, cores e exageros que ajudam o público a realmente entrar na realidade do brega. Alguns momentos são engraçados, como a gravação de um videoclipe amador, mas outros emocionam. Afinal, tudo que ambas querem, dentro da artificialidade do showbizz de periferia, é um lugar ao sol.

Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer de Amor, Plástico e Barulho:
 
Amor, Plástico e Barulho (Brasil, 2013). Dirigido por Renata Pinheiro. Com Maeve Jinkings, Nash Laila, Jennyfer Caldas, Dedesso, Everton Gomes, Rodrigo García... 

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.