Super Hiper Mega Banner

Critica do filme Birdman

*Por Ray de Aguiar - raydeaguiar@daiblog.com.br 


O som da bateria reflete o sentimento de angústia que domina a mente de Riggan Thomson. É desenfreado, sem harmonia, por vezes irritante. Birdman não é aquele tipo de filme que você assiste pra descontrair, um mero escapismo de fantasia com explosões monumentais. Aliás, o filme critica este tipo de produção. Ou será que apenas faz o contrário, de uma maneira sarcástica? Muita coisa foi dita sobre o grande vencedor do Oscar 2015. A grande maioria apontou pra mesma direção: uma crítica apressada, movida pela paixão impulsiva por terem desvendado o implícito quase explícito. Birdman é sobre a trajetória do próprio ator que o interpreta. 

Sim, isto é evidente. Um ator, que ficou famoso por interpretar filmes de um super-herói, cai no ostracismo artístico e ressurge numa produção que visa o consagrar como um artista de verdade, e não apenas mais um “vendido”. Esta descrição sintetiza tanto a história do filme quanto a de Michael Keaton. Vamos às diferenças: Keaton é conhecido por ter estrelado os dois primeiros filmes do Batman, dirigidos por Tim Burton. Ficou um bom tempo longe dos olhos do público e voltou com tudo neste filme. O personagem Riggan é um ator conhecido por estrelar uma trilogia de super-herói chamada Birdman e, depois de um tempo fora do mercado, decide mostrar ao mundo que é um artista sério através de uma peça de teatro na Broadway. A propósito: não há qualquer relação com o desenho animado de mesmo nome da década de 60. O diretor Alejandro Iñárritu confirmou isto, que somente achou interessante a ideia de um herói ser um pássaro.

Enquanto a câmera acompanha Riggan em sua jornada de auto-afirmação, sempre com o som de bateria de bar de jazz ao fundo, somos apresentados à sua filha Samantha (Emma Stone) que trava sua própria batalha contra o vício em drogas, enquanto trabalha como assistente de seu pai, a quem nutre um ressentimento por não estar tão presente quanto gostaria. Junta-se a trama Mike Shiner (Edward Norton), um aclamado ator da Broadway que é escalado para a peça que Riggan produz e estrela. Mike é irritantemente imprevisível. Ora parece se levar a sério demais, ora quer transar em pleno palco com outra atriz durante a apresentação da peça. Uma mente quase indecifrável. E neste ponto, parece que os críticos em geral não perceberam. A crítica do filme pode ser interpretada em relação aos ditos “filmes sérios” e não aos “blockbusters”, afinal Birdman tem até mesmo uma cena, embora rápida, com efeitos especiais e grandes explosões. O filme se usa do artifício que muitos o acusam de criticar, mesmo que seja para este fim. Não seria isto, então, um sarcasmo? Afinal, o auto-proclamado “ator de verdade” Mike é retratado como desequilibrado. Tudo bem, Riggan não é menos complexo, visto as várias percepções fora da realidade que ele tem ao longo do filme, e que testemunhamos através de um enorme plano-sequência, com cortes cirúrgicos e imperceptíveis. Mas não é este o caminho natural de alguém enquanto tenta se descobrir, buscando realizar um feito digno de um super-herói?
Como dá pra ver, o filme nos presenteia com várias perguntas e poucas respostas. A crítica não perdoou e sentenciou como injusto o fato de ter vencido o Oscar de Melhor Filme esse ano. Não sei se realmente merecia pela história, mas talvez tenha vencido pelo conjunto da obra: direção de atores, fotografia, narrativa intrigante. Keaton não venceu como Melhor Ator, mas Iñárritu levou o prêmio de Melhor Diretor. Talvez porque a academia tenha percebido não só o talento artístico, mas também a crítica nas entrelinhas do diretor: de gente dita “séria” falando mal dos filmes de heróis, que por sinal, geram bilhões e sustentam a indústria do cinema. Alguns fãs de quadrinhos e afins levaram a sério e repudiaram. Poderiam aprender um pouco com o humor do Homem-Aranha. Será que ninguém mais consegue rir de si mesmo hoje em dia? Pelo jeito, Iñárritu consegue. Aliás, a essa altura, deve estar rindo à toa.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog 

Birdman or (The Unexpected Virtue of Ignorance) (EUA, 2014) Direção: Alejandro Iñárritu. Com: Michael Keaton, Edward Norton, Emma Stone, Naomi Watts, Zach Galifianakis. 

 Veja aqui o trailer do filme Birdman:

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.