Super Banner

Crítica: O Caseiro é um suspense intrigante

*Por Clara Camarano - Especial para o Daiblog

Fazer filmes de comédias no Brasil já virou uma tendência e garantia, pelo menos em bilheteria, de sucesso. No entanto, o cinema tupiniquim tem ousado e procurado investir também em diferentes gêneros, como terror e suspense. Investir, digo, com uma outra “pegada”, menos clichê e exagerada.


Prova recente, a produção Isolados (2014) instigou e envolveu o público com a história de Lauro. Aliás, interpretado com maestria por Bruno Gagliasso. Agora, uma nova produção de terror / suspense tomou conta das salas dos cinemas de Brasília. Longa-metragem do diretor e roteirista Julio Santi, O Caseiro estreou ontem com uma “pitada” que agrada. Sem exageros e com um enredo que surpreende e penetra o espectador. 


No centro da história está Davi (Bruno Garcia), professor de psicologia famoso por suas indagações sobre o sobrenatural. Procurado pela aluna Renata (Malu Magalhães), o professor se verá em uma prova de fogo. Ajudar a jovem a entender porque sua irmã tem aparecido com vários hematomas.


Dentre as suspeitas, a de que a pequena menina está sendo atacada pelo espírito de um caseiro que se suicidou na casa de sua família. Assim começa a trama. Davi vai então atrás das causas e descobre que o pai da moça (Leopoldo Pacheco) e a tia conhecida como Nora (Denise Weinberg) escondem segredos. O que torna a investigação ainda mais instigante.


Apesar de Bruno Garcia e Malu Magalhães não convencerem muito na fria atuação, Denise Weinberg consegue segurar a peteca e dar uma dinâmica para a história. Atuação de lado, o roteiro é o ponto mais forte. Ele surpreende com um final totalmente imprevisível. Um filme que, apesar de ter pouco de terror, consegue agradar no envolvente suspense. 
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblog 

 Veja aqui o trailer do filme O Caseiro:



O Caseiro (Brasil, 2016) Dirigido por Julio Santi. Com Bruno Garcia, Malu Magalhães, Leopoldo Pacheco, Denise Weinberg...
Google+