Super Hiper Mega Banner

Crítica: O cinema amargo de Dívida de Honra

*Por Leonardo Resende - hashtagcinema@daiblog.com.br

Não existe dúvida que o cinema é capaz de transmitir mensagens e imagens positivas de maneira sublime. Porém, ele também tem a habilidade de fazer o oposto e trazer o pessimista e o amargo. O faroeste Dívida de Honra, estrelado por Hillary Swank e Tommy Lee Jones pode exemplificar esse cinema nebuloso.


Mary Bee Cudy (Swank) é uma mulher que beira os quarenta anos e tenta aceitar a angústia de estar solteira. Essa inquietude fica mais intensa toda vez que Mary acorda e preenche sua rotina com afazeres monótonos. Nesta mesma cidade, três mulheres são frequentemente estupradas por seus maridos. Após todas surtarem e aparentarem estar em demência, o reverendo da cidade sugere que elas sejam transportadas para outro local. Mary se candidata a levar essas mulheres sofridas. No meio do caminho, ela conhece George Briggs, um homem que aceita ajudar Mary em sua jornada.


É de admirar a sobrevivência do gênero faroeste no cinema atual. Um lançamento aqui e outro ali, porém esta vertente do cinema não é mais influente como em seus primórdios. Todo e qualquer lançamento realizado é justificado com tons honorários e referenciais. Dívida de Honra segue outro caminho. Dirigido pelo próprio Tommy Lee Jones, este longa-metragem abandona aqueles conflitos maniqueístas e aposta nos princípios morais de cada personagem. Esses elementos existem nos faroestes tradicionais, mas Dívida de Honra faz deste fator sua espinha dorsal.


A dupla de protagonistas, Lee Jones e Swank, mostra a mesma competência avassaladora de sempre. Swank retrata a aspereza de sua personagem com muita transparência. Lee Jones é aquele homem que aparenta uma inclemência inflexível, mas que internamente é tão sensível quanto o personagem de Swank.


Assim como é ambientado em sua fotografia fúnebre, Dívida de Honra expressa tudo aquilo que o cinema positivo tenta evitar, e faz isso de modo tão brilhante e primoroso que pode até esquecer-se que é um filme depressivo e extremamente negativo.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Dívida de Honra:

 


The Homesman (EUA / França, 2014) Dirigido por Tommy Lee Jones. Com  Tommy Lee Jones, Hilary Swank, Grace Gummer, Miranda Otto, Meryl Streep,   Sonja Richter, Jo Harvey Allen, Barry Corbin, David Dencik...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.