Super Hiper Mega Banner

18º Fica - Crítica: Coal India e as vidas queimadas no carvão

*Por Michel Toronaga, da Cidade de Goiás - micheltoronaga@daiblog.com.br

Uma publicidade animada com um harmionoso jingle fala sobre os benefícios da energia elétrica que alimenta um país graças ao carvão. A propaganda mostra casais felizes, progresso e a ideia de uma civilização moderna. Logo em seguida, a música e as imagens mudam de tom e cor quando Coal India começa. E foi bem diferente o que pôde ser visto na telona durante a mostra competitiva do 18º Fica - Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental.


Coal India, documentário alemão da dupla Felix Röben e Ajay Koli, apresenta o trabalho nas minas de carvão perto de Dhanbad, na Índia. Mesmo com o avanço tecnológico, é uma função que só pode ser feita por seres humanos. As máquinas não sabem diferenciar o carvão da pedra, por isso são pessoas que fazem essa separação. Vários indianos enchem de carvões grandes cestas, que são carregadas e despejadas para inúmeros caminhões.


É desta forma, com um extremo trabalho físico, que inúmeros indianos levam a vida. A segunda parte filme mostra os piratas, aqueles que vivem com carvões dos caminhões. Eles pulam e surrupiam algumas pedras negras. Certos motoristas aceitam parar em troca de um suborno. E é impressionante ver adolescentes e crianças trabalhando - até mesmo de noite - numa função ingrata e perigosa.



A fotografia do média-metragem chama a atenção por ser impregnada de carvão e fuligem. Belas imagens mostram a rotina dos trabalhadores, com um sol opaco pela fumaça. Depoimentos sobre a dificuldade de vida - e o otimismo - emocionam pelas triste condições que muitos se submetem ao exercer uma atividade que explora o planeta e destrói a saúde dos envolvidos. Quase não dá para acreditar que Coal India é uma produção recente, já que mostra um trabalho muito primitivo. Uma realidade até então desconhecida por muitos, que revela o poder que o cinema tem em denunciar e apresentar novas visões para o público.
Cotação do Daiblog: DaiblogDaiblogDaiblog

Cobertura 18º Fica. Leia também:
Festival traz cinema e natureza andando juntos
Cineastas mostram produção local na Mostra ABD
Realidade virtual registra desastre em Mariana
Espaço para animações na programação
Filmes questionam: o que é um lar?
Crítica: Planeta Sigma desperta a imaginação
Crítica: O lado mais fraco da corda
Festival conta com música de qualidade
Entrevista com a cineasta Momoko Seto
Crítica: Vozes de Chernobyl vai além da tragédia
Roteiro gastronômico para cinéfilos
Alê Abreu fala do seu novo trabalho
História do ponto de vista dos índios
Lembranças de uma infância no Irã
Crítica: Coal India e as vidas queimadas no carvão

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.