Super Hiper Mega Banner

Romântico, Marguerite e Julien fala de relação incestuosa

*Por Clara Camarano - redacao@cine61.com.br

As loucuras de uma paixão que se transforma num puro amor idealizado, único, para a vida inteira, capaz de abstrair qualquer regra social.  É com estas premissas românticas que o longa-metragem  francês Marguerite & Julien: Um Amor Proibido estreia nos cinemas para resgatar um pouco da "idealização" do amor que ficou aparentemente velha e até ironizada em épocas de aplicativos de paqueras como Tinder e afins.  Não à toa, o filme se remete a uma história verídica vivida no início do século 17, época de ebulição para o movimento que daria origem ao Romantismo, datado exatamente do fim deste século.


Atriz francesa que virou diretora consagrada após A Guerra Está Declarada (2011), Valérie Donzelli, soube aproveitar muito bem o que o mestre do cinema François Truffaut se recusou a fazer em 1970 por não querer retratar um tema por ele considerado “da moda”: o incesto. De fato, já tivemos bons filmes com esta temática, como O Sopro No Coração (1971), de Louis Malle, La Luna (1979), do papa Bernardo  Bertolucci, o exímio representante tupiniquim Lavoura Arcaica (2001), de Luiz Fernando Carvalho, dentre tantos outros.


Mas Donzelli surpreende ao contar a história dos irmãos Marguerite  (Anaïs Demoustier) e Julien de Ravalet (Jérémie Elkaïm), que cresceram juntas e viveram desde a infância a pureza do amor e do companheirismo. Já sob suspeitas estranhas de atitudes, as duas crianças inseparáveis, no entanto, são obrigadas a viverem realidades totalmente opostas, submissas ao comportamento arcaico que dividia homens e mulheres em suas devidas funções sociais. Neste ponto, o filme é super fiel ao século, embora a cineasta não deixe de colocar um tom contemporâneo para aproximar o espectador da realidade. A trilha clássica se mescla com tons mais modernos. o que torna a adaptação plausível ao anos “21eumasdoses”.


Ela polemiza na medida certa, sem perder o foco que é o amor incondicional. Os dois irmãos se reencontram após viverem uma árdua vida, mas sem perder a essência do sentimento. É um drama lindo, sensível, com uma fotografia maravilhosa e nuances que revelam os personagens na sombra do que eles vivem. Um Romeu e Julieta atual, que nada tem de clichê por não ser mais um filme de amor. É único, como qualquer amor! Polêmicas a parte, quem gosta de romance verdadeiro, pode se preparar para chorar!
Cotação do Cine61: Cine61Cine61Cine61Cine61

Veja aqui o trailer de Marguerite e Julien:

 

Marguerite e Julien (2015, França) Dirigido por Valérie Donzelli. Com Anaïs Demoustier, Jérémie Elkaïm, Frédéric Pierrot, Catherine Mouchet, Geraldine Chaplin...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.