Super Hiper Mega Banner

A Jovem Rainha peca ao retratar Cristina da Suécia

*Por Clara Camarano - redacao@cine61.com.br

Em pleno século 17, a rainha sueca Cristina (1626 – 1689) se tornou uma mulher bem além do seu tempo. Ela contestou a política do seu país. A Suécia defendia o protestantismo, o luteranismo e o consequente combate aos ideais católicos romanos. Cristina da Suécia – como ficou conhecida – foi ainda obrigada a assumir o trono com apenas seis anos de idade. Ela era a única filha herdeira de Maria Leonor de Brandemburgo e do rei Gustavo II Adolfo, assassinado na Batalha de Lützen durante a Guerra dos Trinta Anos. Na época, protestantes e católicos travavam uma batalha de ideologias, religião, política e interesses. Fora isto, a jovem foi criada como um príncipe, com trejeitos masculinos. E chocou a sociedade ao se apaixonar pela condessa Ebba Sparre. Posteriormente, ela ainda  passou para o lado de lá ao se converter ao catolicismo e ser reconhecida como  uma das poucas mulheres enterradas no Vaticano.


Pois bem. Densidade não falta na vida desta rainha. Tanto que sua história atraiu o diretor finlandês Mika Kaurismäki, irmão do famoso Aki Kaurismäki. O interesse se concretizou no longa-metragem A Jovem Rainha. O filme  traz figurinos exuberantes. A história, no entanto, deixa a desejar. Principalmente por pecar no enredo, que tem um tratamento raso. Talvez pela profundidade de Cristina que, em 1h46, foi retratada superficialmente, com diálogos fracos que levam, inclusive, a um romance juvenil. Nada pomposo.


O amor da rainha interpretada por Malin Buska com Ebba Sparre (Sarah Gadon) não tem tempero. A relação de Cristina com a mãe Maria Leonor (Martina Gedeck), mulher que teve uma série de depressões e foi considerada louca, também neste limiar da superficialidade.


Há, ainda, a falta dos cenários que nos levem de volta a 1.600. A relação da rainha com o filósofo René Descartes, porém , merece méritos. Em cartas trocadas questionando o significado do amor e do ódio, é possível viajar nestes pensamentos que elevam a paixão, o desejo e o almejado livre-arbítrio de ser. Talvez, exatamente, sejam estes sentimentos que levaram esta culta mulher a buscar o voo e a liberdade desde pequena. Livre de regras, dona do seu próprio destino. Nestes pontos, o envolvimento é certeiro. 
Cotação do Cine61Cine61Cine61Cine61

Veja aqui o trailer do filme A Jovem Rainha:


The Girl King (2015, Finlândia, Alemanha, Canadá, França, Suécia) Dirigido por Mika Kaurismäki. Com Malin Buska, Sarah Gadon, Lucas Bryant, Michael Nyqvist, Laura Birn, Hippolyte Girardot...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.