Super Hiper Mega Banner

Rei Arthur - A Lenda da Espada deslumbra em visual e ação

*Por Clara Camarano - contato@cine61.com.br

A história é lendária e povoa o imaginário não apenas pelo lado histórico, mas pela magia que é somatizada na literatura, como a arte permite. O Rei Arthur foi um lendário líder britânico que comandou a defesa de seu país contra os invasores saxões no fim do século 5. A saga deste rei ganhou as letrinhas com o autor Godofredo de Monmouth e sua obra Historia Regum Britanniae, em 1130. Das letras para as telonas, Arthur eternizou-se ainda em produções clássicas como Os Cavaleiros da Távola Redonda (1953), de Richard Thorpe, e até em sátiras, como Em Busca do Cálice Sagrado (1975), de Terry Gilliam e Terry Jones.


Agora o clássico chega repaginado com efeitos visuais únicos e um frenesi adequado ao século 21. O Rei Arthur: A Lenda da Espada estreia com tons que prometem encantar os fãs de filmes de ação. O diretor inglês Guy Ritchie - conhecido por Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (1998), Snatch: Porcos e Diamantes (2000), dentre outros, consegue prender o espectador com a história deste rei (Charlie Hunnam). Ele é um órfão criado nas ruas, no meio da prostituição e à margem da sociedade. O destino se deu porque o jovem foi deixado em um cesto em um rio quando o seu pai, o rei Uther (Eric Bana), foi assassinado pelo ganancioso tio Vortigem (Jude Law). 


Arthur não reconhece sua predestinação, muito menos suas origens. Mas sonha constantemente com seu passado obscuro e torna-se, naturalmente, um homem forte e temeroso em seu meio. Ao ser intimado a retirar a enigmática espada Excalibur – apenas o descendente de Uther conseguiria retirá-la - da rocha onde estava cravada, ele começa a ser alvo do tio e intimado a lidar com este passado e reconhecer seu pai. A missão é defender seu povo e retirar o familiar vilão do trono. Com magos, o filme é uma fantasia com inúmeros detalhes visuais que ressaltam aos olhos (ainda mais em 3D). 


O protagonista se mostra como um galã com traços de um anti-herói bonitão (Charlie Hunnam faz bem o papel do forte desejado). A mistura de fantasia e mitologia glorifica a produção. O melhor: a atuação de Jude Law como o tirano. Impecável! Guy Ritchie consegue entrar em um mundo que remete à série Game Of Thrones que, com certeza, deve ter sido uma das fontes de sua inspiração. Elogios à parte, o longa, no entanto, peca pelo excesso. Piadas fora de contexto, exaltação do protagonista desejado e um roteiro focado apenas na ação e no visual acabam por perder a essência de Arthur. O foco torna-se apenas a aventura em si. 
Cotação do Cine61: Cine61Cine61Cine61

Veja aqui o trailer do filme Rei Arthur: A Lenda da Espada:

 

King Arthur: Legend of the Sword (EUA, 2017) Dirigido por Guy Ritchie. Com Charlie Hunnam, Astrid Bergès-Frisbey, Jude Law, Djimon Hounsou, Eric Bana, Aidan Gillen, Freddie Fox...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.