Super Hiper Mega Banner

A coragem de amar vista em Tudo e Todas as Coisas

*Por Clara Camarano - contato@cine61.com.br

Temática forte, que mescla um romance juvenil com o drama de uma adolescente de 18 anos que nunca saiu de casa e vive uma relação de codependência com sua mãe. A jovem Maddie (Amandla Stenberg) foi diagnosticada ainda bebê com Síndrome de Imunodeficiência Combinada, uma doença que a torna vulnerável ao mundo exterior por conta do déficit de leucócitos. A vida da moça se resume ao enclausuramento entre quatro paredes, onde estuda e vive uma rotina rígida, mas permeada de sonhos, como conhecer o mar. Seu destino, no entanto, vira de cabeça para baixo quando o jovem Olly (Nick Robinson) muda para a casa ao lado.


O longa-metragem Tudo e Todas as Coisas transmite, à princípio, a sensação de que veremos mais um filme sobre romances de jovens com doenças que terminam em tragédias, como A Culpa é das Estrelas (2014), de Josh Boone. Mas a diretora  Stella Meghie vai além. Ela consegue trazer leveza para um filme que poderia ser pesado. O romance que se cria entre Olly e Maddie é também um dos pontos fortes. Ingênuo, o amor entre os jovens vai além de um clichê de apaixonados. Eles descobrem juntos a coragem necessária para enfrentar o mundo e conhecer a sensação de liberdade. 


O roteiro também não é previsível. Muito pelo contrário. No final, um choque de realidade acomete Maddie e sua mãe, esta traumatizada por ter perdido o marido e o filho (respectivamente pai e irmão da jovem) há anos em um acidente de carro. Indo além, um brinde e aplausos para a diretora negra que traz para este filme uma protagonista negra e consegue combater qualquer tipo de preconceito. Como pontos falhos, algumas situações não condizem, como a menina que nunca saiu de casa e, de repente, está nadando como se já tivesse muita experiência de natação.


Além disso, outros detalhes que não caberiam aos jovens. Ainda, a história trágica da família de Olly, que vive em briga com seu pai, é pouco explorada. O foco é a jovem protagonista. No final, a mensagem é de vive la vie, como se não houvesse o amanhã. Afinal, todos nós podemos morrer. O drama romântico foi baseado num best-seller homônimo com roteiro adaptado por J. Mills Goodloe (A Incrível História de Adaline).
Cotação do Cine61: DaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Tudo e Todas as Coisas:
    

Everything, Everything (EUA, 2017) Dirigido por Stella Meghie. Com Amandla Stenberg, Nick Robinson, Anika Noni Rose, Ana de la Reguera, Taylor Hickson, Danube Hermosillo...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.