Super Banner

A coragem de amar vista em Tudo e Todas as Coisas

*Por Clara Camarano - contato@cine61.com.br

Temática forte, que mescla um romance juvenil com o drama de uma adolescente de 18 anos que nunca saiu de casa e vive uma relação de codependência com sua mãe. A jovem Maddie (Amandla Stenberg) foi diagnosticada ainda bebê com Síndrome de Imunodeficiência Combinada, uma doença que a torna vulnerável ao mundo exterior por conta do déficit de leucócitos. A vida da moça se resume ao enclausuramento entre quatro paredes, onde estuda e vive uma rotina rígida, mas permeada de sonhos, como conhecer o mar. Seu destino, no entanto, vira de cabeça para baixo quando o jovem Olly (Nick Robinson) muda para a casa ao lado.


O longa-metragem Tudo e Todas as Coisas transmite, à princípio, a sensação de que veremos mais um filme sobre romances de jovens com doenças que terminam em tragédias, como A Culpa é das Estrelas (2014), de Josh Boone. Mas a diretora  Stella Meghie vai além. Ela consegue trazer leveza para um filme que poderia ser pesado. O romance que se cria entre Olly e Maddie é também um dos pontos fortes. Ingênuo, o amor entre os jovens vai além de um clichê de apaixonados. Eles descobrem juntos a coragem necessária para enfrentar o mundo e conhecer a sensação de liberdade. 


O roteiro também não é previsível. Muito pelo contrário. No final, um choque de realidade acomete Maddie e sua mãe, esta traumatizada por ter perdido o marido e o filho (respectivamente pai e irmão da jovem) há anos em um acidente de carro. Indo além, um brinde e aplausos para a diretora negra que traz para este filme uma protagonista negra e consegue combater qualquer tipo de preconceito. Como pontos falhos, algumas situações não condizem, como a menina que nunca saiu de casa e, de repente, está nadando como se já tivesse muita experiência de natação.


Além disso, outros detalhes que não caberiam aos jovens. Ainda, a história trágica da família de Olly, que vive em briga com seu pai, é pouco explorada. O foco é a jovem protagonista. No final, a mensagem é de vive la vie, como se não houvesse o amanhã. Afinal, todos nós podemos morrer. O drama romântico foi baseado num best-seller homônimo com roteiro adaptado por J. Mills Goodloe (A Incrível História de Adaline).
Cotação do Cine61: DaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Tudo e Todas as Coisas:
    

Everything, Everything (EUA, 2017) Dirigido por Stella Meghie. Com Amandla Stenberg, Nick Robinson, Anika Noni Rose, Ana de la Reguera, Taylor Hickson, Danube Hermosillo...
Google+