Super Hiper Mega Banner

Poderosa, Mulher-Maravilha supera expectativas

*Por Clara Camarano - contato@cine61.com.br

Ação, romance e uma história que engloba as atrocidades do Nazismo e da Primeira Guerra Mundial. Depois de vários super-heróis – homens – se revezarem em produções que foram fracassos e sucessos, agora é a vez de Mulher-Maravilha. A personagem criada em 1941 pela DC Comics chega para marcar a estreia solo desta super-heroína e, também, para saciar a curiosidade dos fãs de quadrinhos e até dos leigos que desejavam conhecer melhor a história de Diana.


Sob a direção também de uma mulher, Patty Jenkins, a produção retrata a história de Diana Prince (a Mulher-Maravilha), uma jovem que nunca saiu de sua ilha paradisíaca e é reconhecida como a princesa das Amazonas. Guerreira desde pequena, ela vê sua rotina mudar ao salvar o piloto Steve Trevos (Chris Pine), que cai de avião no local. Ameaçado pelas mulheres desta ilha (a ilha é habitada só por mulheres), Steve confessa ser um espião britânico de uma guerra sem precedentes, a Primeira Guerra Mundial.


A altruísta princesa resolve então contrariar a mãe super-protetora, a rainha Hipólita (Connie Nielsen), e seguir com o rapaz para proteger a humanidade e acabar com o deus Ares que, segundo sua crença, é quem originou a guerra e todo o mal. A história, cheia de nuances, consegue ser retratada de uma forma bem clara. Começa mostrando desde a infância da protagonista, ressaltando sua missão de ser guerreira. Vários elementos lúdicos destacam-se nesta primeira parte, na ilha.


Logo após, o mundo em destruição contrasta com a pureza da jovem guerreira. É a partir daí que é exposta a perversidade da humanidade. Para rechear ainda mais a história, a sensível relação da dupla piloto/guerreira abre margem para um romance. A produção também enaltece o combate da mulher contra os preconceitos machistas. Este empoderamento feminino ganha forças com a bela atuação de Gal Gadot, que imprime todas as sutilezas necessárias para a protagonista. A ingenuidade de Diana garante gargalhadas no meio de toda a ação. O longa, no entanto, peca no final ao cair em um clichê hollywoodiano em uma luta que pouco acrescenta. Mesmo assim, fica uma mensagem sobre um dos maiores poderes que se pode ter: o amor.
Cotação do Cine61: DaiblogDaiblogDaiblogDaiblog

Veja aqui o trailer do filme Mulher-Maravilha:
 

Wonder Woman (EUA / China / Hong Kong, 2017) Dirigido por Patty Jenkins. Com Gal Gadot, David Thewlis , Robin Wright, Chris Pine, Connie Nielsen, Elena Anaya, Lucy Davis, Danny Huston...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.