Super Hiper Mega Banner

Julia Murat comenta sobre Pendular, que está em competição

O longa Pendular, dirigido por Julia Murat (Histórias que Só Existem Quando Lembradas), terá estreia nacional no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O filme teve sua estreia mundial no Festival de Berlim, na mostra Panorama, onde ganhou o prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema, a FIPRESCI. O filme participou do New Directors New Films, em Nova York, do Taipei Film Festival entre outros, e ja foi vendido para os territórios dos EUA e Canadá. Com distribuição da Vitrine Filmes, Pendular estreia em circuito comercial no Brasil dia 21 de setembro.



No filme um jovem casal se muda para um grande galpão industrial abandonado. Uma fita laranja colada no chão divide o espaço em duas partes iguais: à direita o ateliê de escultura dele, à esquerda o estúdio de dança dela. Pendular acontece neste ambiente onde arte, performance e intimidade se misturam; e onde os personagens perdem aos poucos a capacidade de distinguir entre seus projetos artísticos, o passado de cada um e sua relação amorosa. 


A primeira inspiração para o filme surgiu a partir da performance Rest Energy, criada por Marina Abramovic e seu companheiro Ulay em 1980. Explica Julia Murat, “O trabalho de Marina costuma envolver duros testes de resistência ao explorar as relações e os comportamentos humanos. Em Rest Energy, os dois seguravam um arco tensionado apenas pelo peso de seus corpos, com uma flecha apontando para o coração de Marina. O leitmotiv de Pendular é o estabelecimento de um nível extremo de confiança e de vulnerabilidade inerente a um relacionamento profundo.


O filme que junta várias formas e expressões de arte em sua narrativa, mistura linguagens do cinema, da escultura e da dança.  “A combinação de diferentes linguagens é uma marca da minha trajetória artística. Em Historias que só existem quando lembradas, as fotografias criadas para o filme foram parte de uma exposição no Centro Cultural Parque Lage. Pendular explora ainda mais essa combinação: a experiência proposta pelo filme só pode ser alcançada se as três linguagens caminharem juntas.  A questão do equilíbrio se faz presente em todos os aspectos do filme: o equilíbrio de um relacionamento amoroso, o equilíbrio de materiais pesados (visto nas esculturas de madeira e ferro) ou de materiais leves (os objetos infláveis), e o equilíbrio do corpo.”, conta a diretora.

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.