Super Hiper Mega Banner

Edições Sesc SP lançam Sétima Arte: Um Culto Moderno




As Edições Sesc São Paulo realizam o lançamento da 2ª edição revista e ampliada do livro Sétima Arte: Um Culto Moderno, de Ismail Xavier, um dos mais importantes teóricos e professores de crítica e história do cinema brasileiro. Esta edição conta com uma nova introdução do autor, além de comentários atuais à luz da evolução do cinema e da crítica, que se somam à versão integral do estudo pioneiro publicado em 1978, que aborda a consolidação  do cinema como forma de arte e de que forma a estética cinematográfica se transformou em uma linguagem artística fundamentalmente moderna.

Ismail Xavier Crédito: Luis Andrade
Escrito a partir da dissertação de mestrado de Ismail, o livro analisa o período em que o cinema deixou de ser compreendido como mera diversão popular e alcançou o status de “sétima arte”, apresentando um debate que ultrapassa questões técnicas e abrange uma ampla visão da história e da cultura brasileiras, bem como da história do cinema mundial. Buscando desvendar a origem da expressão “sétima arte”, Ismail apresenta um panorama das vanguardas artísticas desde 1911, quando o italiano Ricciotto Canudo escreveu o Manifesto das Sete Artes.


Influenciado por nomes como Paulo Emílio Salles Gomes e Antonio Candido, o autor desenvolve uma visão analítica do cinema baseada em um amplo conhecimento histórico, social e cultural do Brasil. Conforme afirma Danilo Santos de Miranda no texto de apresentação, “essa perspectiva extrapola a simples compreensão de enredos e personagens, apontando para a estrutura fílmica, assim como para o exame tanto do contexto no qual se insere o filme quanto daquele ao qual se refere. Para Xavier, a obra de arte não se dissocia da sociedade, ao contrário, é produto dela e com ela deve dialogar”.

Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

O caminho percorrido pelo livro inclui comentário à estética de Ricciotto Canudo como um momento expressivo que pode ser associado à primeira grande forma da cinefilia, e passa também pelos “jovens rebeldes” da crítica francesa nas décadas de 1940 e 1950, que conduziram a definição de um autor cinematográfico por meio da forma original com que ele compunha as cenas e articulava as montagens. A pesquisa histórica e o debate avançam no contexto teórico da década de 1970, época em que a primeira edição do livro foi desenvolvida.

Ficha Técnica:
Sétima Arte | Um Culto Moderno: O Idealismo Estético e o Cinema (2ª edição revista e ampliada)
Edições Sesc São Paulo
Autor: Ismail Xavier
ISBN: 978-85-9493-049-1
Páginas: 288 p.
Preço: R$ 60

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.