Super Hiper Mega Banner

Eu, Tonya apresenta uma tragicomédia bem-sucedida

A história é real e teve um impacto gigante, principalmente quando falamos do olhar frenético e exigente dos estadunidenses para com questões que envolvam esportes, celebridades e atitudes que “comprometam” a imagem  dos Estados Unidos.  Estamos falando de Tonya Harding, ex-patinadora e ex-boxeadora norte-americana que se destacava patinando nas pistas de gelo. O talento veio de infância. Tonya foi a segunda mulher do mundo a fazer o salto triplo axel em competições. De família pobre, a patinadora teve que lidar com críticas no mundo da moda (ela era considerada brega) e julgamentos em torno de sua forte personalidade. Ainda, sua carreira foi abaixo quando seu ex-marido Jeff Gillooly a envolveu no ataque contra a também patinadora Nancy Kerrigan em sessão de treinamento durante o Campeonato dos Estados Unidos, em 1994.


A história rendeu críticas, noticiários na época e, agora, um filme. O longa-metragem Eu, Tonya é dirigido pelo australiano Craig Gillespie. Narrações misturadas com ações. Elipses bem-sucedidas em um jogo que mescla passado e presente. Personagens que, mesmo dentro da ação, falam para as câmeras e com o espectador. Ainda, um tom pastelão que deixa o filme cômico sem perder o drama em inúmeras cenas. Aliás, o diretor acertou de primeira nesta tragicomédia. Eu, Tonya conta com uma costura de cenas envolventes, um mix climático e uma falta de glamour que coube bem no retrato da protagonista.


Película envolvente, também, pelas atrizes que dão um show de interpretação. Produtora e protagonista do filme, Margot Robbie - a sapeca Arlequina de Esquadrão Suicida - quebra a comédia e nos traz uma intensidade dramática. Dá para se emocionar com a atriz quando ela vê sua carreira desabar. Ao mesmo tempo, Alisson Janey destrói (no bom sentido) como a mãe de Tonya. A atriz consegue ser irônica, sarcástica, bruta e cômica ao mesmo tempo. Não à toa, ela levou o Globo de Ouro de 2018 como melhor atriz coadjuvante. Ela e Margot estão concorrendo também ao Oscar nas categorias melhor atriz coadjuvante e protagonista, respectivamente. Merecidamente!


O diretor que também já assinou comédias como Em Pé de Guerra e A Garota Ideal coloca este gênero aqui, mas sutilmente, numa mistura agradável. Não excessiva. Craig Gillespie consegue, ainda, passar por todas as fases de Tonya. Pequena, adolescente e adulta. Em 2h exatas, ele aprofunda ainda na relação obsessiva da mãe para com Tonya e no relacionamento também abusivo da patinadora com o machista Jeff Gillooly (Sebastian Stan). Outro personagem que faz um contraponto é a figura do guarda-costa de Tonya, vivido por Paul Walter Hauser.  Nas partes em que ele aparece o riso é certeiro. Mesmo na tragédia. Aliás, estamos diante de uma obra tragicômica. A fotografia é outro ponto forte. Dá para se sentir com Tonya dentro das pistas de patinação. Espetaculares. 
Cotação do Cine61: Cine61Cine61Cine61Cine61

*Por Clara Camarano - contato@cine61.com.br

Veja aqui o trailer do filme Eu, Tonya:



I, Tonya (EUA, 2017) Dirigido por Craig Gillespie. Com Margot Robbie, Sebastian Stan, Allison Janney, Julianne Nicholson, Paul Walter Hauser, Bobby Cannavale, Bojana Novakovic...

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.