Super Hiper Mega Banner

Romance musical Meu Álbum de Amores começa a ser filmado

Já imaginou levar um pé na bunda e, no mesmo dia, descobrir que seu pai não é o seu pai biológico? Pois bem, é por essa reviravolta que Júlio, vivido por Gabriel Leone, passa no romance musical Meu Álbum de Amores, que começou a ser rodada esta semana em São Paulo com Gabriel Leone, Felipe Frazão, Carla Salle, Olívia Torres, Maria Luisa Mendonça, Laila Garin, Lorena Comparato, e um grande elenco. Dirigido por Rafael Gomes (Música Para Cortar os Pulsos), com produção da Biônica Filmes, o longa conta de maneira bem-humorada a história de Júlio (Gabriel Leone), um dentista sensível e apaixonado que vive uma vida protegida e controlada, morando com sua mãe, e está prestes a dar um grande passo rumo à maturidade: comprar um apartamento com Alice (Carla Salle), a mulher que ele namora desde os 18 anos. Mas Alice revela não estar preparada para tudo isso e dá um fim a relação.


Abatido, Júlio é surpreendido por uma segunda notícia bombástica: seu pai não é quem ele sempre pensou que fosse. No lugar de Maurício, um dentista sério e bem-sucedido, entra Odilon Ricardo , um famoso cantor brega dos anos 70. Este pai, que Júlio nunca soube que teve, acaba de falecer. E lhe deixou de herança a casa onde sempre viveu, um forte DNA musical que Júlio nunca soube que tinha e, principalmente, um irmão que é em tudo diferente dele, Felipe (Felipe Frazão). Assim, Júlio terá que sair da sua zona de conforto, investigar o passado do pai e enfrentar uma série de mudanças inesperadas em sua vida, redescobrindo a si mesmo e reinventando o caminho de seu próprio amadurecimento.



"É um filme de sentimentos concretos e reais - os problemas do protagonista são verdadeiros e pungentes. Mas é também uma comédia romântica. Não uma comédia romântica ligeira, mas uma comédia romântica que busca algumas profundidades, assim como as músicas de amor. É sobre expansão de mundo, concreta e emocionalmente. Sobre abandonar a ideia de controle sobre o futuro para entregar-se às surpresas do presente. É sobre os conflitos da pós-adolescência e a desconstrução de um conceito de masculinidade secularmente construído, através do cruzamento do protagonista com diferentes aspectos do feminino. É sobre a busca pelas origens genealógicas, incluindo o parentesco por afeto e adoção. E é, por fim, sobre a transformação da vida em criação artística – no caso, a música". explica o diretor.

E num filme em que a música é protagonista, dois grandes nomes da música brasileira assinarão a trilha sonora original: Odair José e Arnaldo Antunes. “Eu admiro a obra do Arnaldo e do Odair há anos. Com o Arnaldo eu já havia realizado alguns trabalhos, como a direção de um videoclipe, e tido outros contatos em parcerias de diferentes naturezas. Na ideia desse filme sempre existiu o universo musical dos anos 70 como referência, e o Arnaldo me pareceu o cara ideal para fazer essa releitura e compor essas músicas. Eis que ele próprio sugeriu que a gente fosse na essência e convidasse Odair José para a empreitada. E era tão óbvio e perfeito que eu não me conformava de não ter pensado nisso antes”, completa Gomes.

Nenhum comentário

Todos os comentários do Cine61 são moderados por nossa equipe. Mensagens ofensivas não serão aprovadas. Obrigado pela visita!

Tecnologia do Blogger.